Apr 5, 2007

Término

Acabei de ler Auerbach e realmente é impressionante o panorama descrito de todas as formas de representação e mimetização utilizadas pela literatura ao longo de, digamos, três mil anos de escritos. Notas "recomendo a leitura" / "ler de novo" aos capítulos referentes a Shakespeare e ao realismo francês (Balzac, Zola, Flaubert). Nota "o pulo do gato" para o capítulo sobre os evangelhos. Imaginar uma mudança de paradigma da inserção da classe subalterna em quadros dramáticos em vez de satíricos a partir da figura de Jesus Cristo é definitivamente uma idéia original. Palmas para o erudito! Hoje o dia está soando terminal.

p.s.: não houve comentários para o meu poema simples (dois posts atrás)... duas pessoas já me falaram que ele não é simples. Hunf! para vocês.

1 comment:

Daniela said...

Ah, Guto... A simplicidade do poema pode n ter nada a ver c a simplicidade da ideia (poema simples, ideias nem tanto). Além disso, o q vc lê, lê do ponto de vista de um escritor, por exemplo, vc tirou várias conclusões desse livro, provavelmente eu teria ficado na mesma. Já aconteceu uma vez, mas era um livro de neurobiologia, do Antonio Damásio, li uma vez e meia e nada...
Aquele poema me deixou pensando, e acho q é um feito maior do q atingir a simplicidade. Vou voltar a le-lo com mais calma, e quem sabe enxergue a tal simplicidade (eu tenho tendencia a complicar tudo).
Ah, Hunf! pra vc tb =)