Aug 11, 2008

Fôlego de leitura



Depois de dias seguidos postando poemas, resolvi dar um tempo pro fôlego. Não que não tenha escrito muito, seguidamente (talvez efeito da morte iminente que me escuta à espreita), mas é que talvez o poema seja algo mais homeopático do que intermitente. Talvez uma imensa besteira, mas tendo a acreditar que à prosa esteja reservado o tratamento dia após o outro, continuamente. O poema não, até dos mais despretensiosos podem revirar o leitor em suas certezas. Lembro-me de um poema de Adília Lopes, por exemplo (sim, mudei de idéia): "Podia ser muito feliz / se não fosse muito infeliz". Perfeito!

Só um louco abre um livro de poemas no intuito de leitura.

7 comments:

william said...

Produção compulsiva diante da morte iminente, sei como é, rs.
E é verdade um livro de poemas não tem fim nem começo,um dos aspectos da poesia que mais me fascina é esse, possibilidade ilimitada de leituras, pelo menos os grandes poetas conseguem isso, há livros que me acompanham há anos , que não se esgotam, poetas que crescem e se expandem a cada vez que ditamos os olhos sobre eles. Abraço e até.

p.s muito bom o traço do rapaz, econômico e direto.

apesardoceu said...

Ou como diria o woody allen

eu seria tão feliz se fosse feliz..

heheh

FlaM said...

ah! mas eu queria mais um poeminha teu hj!
Justo hoje, guto?
tava precisadinha de uma dosezinha...
bj, f

FlaM said...

'brigada, querido pela dosezinha personalíssima.
'dorei! Bj, f

FlaM said...

Viu? até virei de frente prá sorrir pra ti!
hehe

Karen Dumont, said...

Oi Guto! Recebi o seu recado no Blog e fiquei muito feliz! Que cançao voce escreveu sobre Madrid?
Obrigada!
Karen

Guto Leite said...

Caríssimos, mesmo no fôlego, conto sempre com o diálogo requintado de vossas senhorias. Não sei por vocês, mas sempre me engrandeço muito com os apontamentos e impressões que encontro por aqui. Salve William, Éverton, Flávia e Karen, plageando Vinícius!
p.s.: Will, remeti a crítica ao dono do traço, que se alegrou com o comentário!