Mar 11, 2007

Eu vou

Amanhã tenho meu primeiro compromisso como autor, a presença física em um lançamento da editora pela qual vou publicar num barzinho aqui em Sampa. É absolutamente estranha essa "exigência", sobretudo e especificamente para mim. Minha presença está entre as surpresas mais desagradáveis que pode ter um cidadão saudável. Além de minha reconhecida desarmonia física, sou do tipo que insere comentários desagradáveis, levanta questionamentos impertinentes, identifica as feridas com a facilidade de um plantonista e, assim como ele, pressiona com os dedos árduos para, de certa forma, lembrar que a dor é parte composicional importante de uma vida alienada. Ademais, de algumas semanas pra cá, meu estado de espírito beira a misogenia absoluta. Definitivamente estou desapto a fazer amigos ou conquistar quem quer que seja, de maneira a no futuro desfrutar da agradabilidade de boas relações. Se não acreditasse que minha presença fosse tão sem importância, nem mesmo iria, por ainda me restar um espírito justo o bastante para não destemperar o lançamento de livro alheio. Com o corpo no estribo, o coração em casa e o espírito constantemente em lampejos; eu vou.

p.s.: agradecimentos a uma nova postagem feita por amigos em seu blog "Presença" de um dos meus poemas: "Noivos". Para quem quiser espiar, o link se encontra ao lado direito.

1 comment:

Tagg said...

ê, nego! nem sabia dessa... parabéns!
vc é de longe o cara mais prolífico que conheço! eu saudade, sabia?