Nov 29, 2006

Os remédios

Há alguns dias comecei a tomar Citalopran. Recebi diversas críticas a respeito de pessoas com quem realmente me importo e pondero, quando suas opiniões divergem da minha. No caso específico deste anti-depressivo, sei que a razão exclusivamente se encontra de posse dessas pessoas. Infelizmente, alguns assombros da vida não carecem tanto de razão e também me entristeço com essas pessoas de minha necessidade momentânea de pulsão em cápsulas. Ando apartado, por motivos diversos, de meus quatro grandes amores: ela, minha família, minha arte e meus amigos. Não há poeta que suporte sem o mínimo auxílio daqueles comprimidinhos brancos.

Pasalix

não tem gosto de laranja
seria naturalmente
se sua cor ou sua forma
redondas
não mentissem o se esperar

tem gosto sim de dormência
de sentidos exaltados
de contos precipitados
de móveis se arredondando
o quarto ruir mudando
as cores os devaneios
ondulando caindo
tudo laranja
dormiu

ao menos nos primeiros dias
depois passa-se o efeito
placebo das avessas
e já não tem gosto de nada

Acordei com vinte sentidos esta manhã...

1 comment:

Catarina said...

O que seria do poeta sem doses diárias de comprimidos de dor?

Bom blog!