Oct 10, 2008

Homenagem a Gabriela

Depois da ladainha do post passado, que trazia um poema a dois versos do ridículo, o deus que cuida da poesia e seus aliados me foram muito generosos nestes dias. Não é caridade se medirmos o alto nível de sacrifícios que me exige diariamente. Enfim, vou feliz para o fim de semana depois de alguns poemas que achei bons, uns dois não muito felizes e um que acho com alguma chance de posteridade. Posto aqui um dos que gostei, sem história prévia, pois espero que ele fale por si. Homenagem também a uma amiga de alma, inteligente e bela, a quem Deus, o original, o das igrejas, só não fez minha irmã porque erra vez ou outra. Arte e paixões a todos!

versos para Gabriela

te gosto tanto, minha amiga,
que queria te ver morta

para mentir aos outros
que nos reconciliamos

este silêncio é o mesmo
que será em teu velório

quando me indagarei
das razões inexistentes

enquanto os outros encontram
a verdade de seus corpos

morra, então, morra logo
morra tão subitamente

que eu nunca mais te perceba
na distância dos remorsos

que de longe eu me aproxime
pros cantos religiosos

e confidencie aos presentes
o quanto nós fomos amigos

que em vez nenhuma brigamos
nunca nos desentendemos

esperando que a mentira
siga a lógica dos corpos

permanecendo verdade
na vigília do velório

4 comments:

Lílian Alcântara said...

porra, muito bom. Daqueles que enche a gente de um ar sombrio e não - identificável... bom mesmo

Mazinha said...

CARALHO! Ficou realmente muito bom. O Deus da poesia te olhou do Olimpo e te beijou na boca nesse dia.

Bjs!

Guto Leite said...

Muito obrigado pelas boas críticas, caríssima! Gostei muito e ainda fiquei muito feliz porque é um poema pelo qual tenho muito carinho. Lílian, sempre bem-vinda neste espaço e parabéns pelos ótimos e precoces versos do teu blog! Má, adoro teu estro Sargent Peppers. Beijos e arte!

Carla Soares said...

Amigo, mais uma vez parabéns!

Acho incrível essa sensação: gostar tanto de alguém (ou algo) a ponto de preferir a sua morte.

E esses versos:

que eu nunca mais te perceba
na distância dos remorsos

Amei!

Só mesmo o tempo é capaz de nos fazer enxergar a perfeição. Porque ele nos faz esquecer (ou encobre) os defeitos...

Beijo