Jun 11, 2007

Um mês de música

Meus amigos infinitos, este mês é a transição, acredito, pra melhor fase da minha vida. Dedico-me integralmente à música, porque gravo no começo do próximo mês. Para isso, terei de tirar algumas melodias complicadas e treinar diariamente minha voz, respiração e percepção melódica. Não sei se transpareço, mas estou transbordando euforia com a possibilidade de me dedicar tanto a algo. Infelizmente, o trabalho no banco conspurca este tempo, que era para ser exclusivo. Cada vez mais percebo o jogo patética que se instarua no trabalho alienador e defintivamente me entristece muito, tanto por mim mesmo quanto pelos demais, absolutamente anulados naquilo que pensam fazer tão especialmente. Já aceitei, contudo, esta pequena concessão, para não abrir mais concessões depois disto. Espero... Deixo com vocês a letra de uma das músicas que gravo em julho. Homenagem a uma grande e saudosa amiga! Aguardo críticas, não à homenagem.

Ileso coração

Letra e melodia: Carlos Augusto Bonifácio Leite

Ela bolou mil planos,
fez meias de lã,
dos sonhos coloridos,
um vestido de brilhar.
Olha minha menina lá.
Tristinha... tristinha.
Ela escolheu arranjos,
os padrinhos do
primeiro filho, os sinos
de uma antiga catedral.
Olha o rosto da daminha.
Tristinha... tristinha.

Então ela se fez
refém de um destino que, quando vem,
não tem conversa,
espalha, dispersa, e, nessa,
passa a vez,
na melhor conversa,
nas promessas de haver algo maior.
Não faz assim com ela,
que a vida dela é isso, por mais
que seja além.
Não há feitiço que retorne
um bem, que morra sem
ilesos corações.

Ela escolheu o barro,
o sítio, os pássaros
que ali veriam juntos,
os assuntos, o pomar.
Olha a fábula, menina
tristinha... tristinha.
E planejou mil bolos,
doces netos, a fornada
por sair e o tempo
lento, envelhecer.
Olha as luzes do convento.
Tristinhas... tristinhas.

Então, de vez, ela
aquém do destino. Que tanto bem
aos outros interessa?
Pra ela não tem conversa,
E a vez,
na mais fina farsa,
foge aos sustos de fazer-se bem menor.
Mas quando, enfim, ela
se casar com a vida, helàs! Tarde
demais, porém,
não há feitiços que reparem
o mal e afinal
ileso, o coração.
Ileso coração.

9 comments:

Kah said...

Amei a letra.Tão real!Não sei o ritmo, mas acho que meio tipo samba,bossa nova ,vai ficar legal.Se puder me manda ela por email.Depois falo mais.Beijos e linda semana!!!

daniela said...

Guto!!!!! Que linda!! Já disse que adoro músicas sem refrão?
Vou ter que ler mais umas vezes, porque carrega muita coisa com as quais me identifiquei. Depois faço um comentário digno da letra, ou melhor, tento fazer. Não dá pra escolher o dia em que tamanha boniteza entra na nossa vida, né? E se essa não viesse tão esplendorosa, teria perdido, mas a verdade é que hoje não consigo apreciar plenamente.
Sobre o comentário que precede a música: nós não vamos nos alienar, Guto! Tu tens me ajudado muito nessa luta, e espero que saber disso, sirva um pouquinho de incentivo pra não relegares a poesia e a arte.

Anonymous said...

Já que o assunto é trabalho vou deixar o meu depoimento.
Apesar de simples, rápido e incrivelmente tentador para pelo menos 2/3 da população nosso trampo tem a peculiar habilidade de exaurir todo e qualquer traço de bom humor e disposição que levamos no inicio de cada dia. De qq forma não zombe nem o despreze, sabendo como é o lado cá o lado de lá tenho certeza que parecerá muito mais doce.
Abraço.

Guto Leite said...
This comment has been removed by the author.
Guto Leite said...

Não costumo comentar, mas preciso desfazer certo embaraço. Não zombo nem desprezo meu trabalho, zombo e desprezo todo trabalho longe da arte. O que faço hoje está entre os mais alienantes, mas ao menos não mata, como muitos. Cuspo no prato por natureza inquietante!

Anne Baylor said...

Oi...
Que lindo..
Poxa...
Eu também amo música..
Muito mesmo..
Eu canto.
Ja gravei umas bobagens ae..
E vc??
Manda-me uma música com sua voz por email???

Nhum..

Obrigada pela visita.

Acho engraçado as pessoas que criticam anônimamente..Sempre com criticas severas, mas sempre covardes o suficiente pra não mostrarem a cara. ...

Super bjo Guto.

Douglas said...

Me incomoda a parte do desprezo por "todo trabalho longe da arte", mas antes num comentário pessoal que numa teoria que pretenda a verdade. Enfim, não há nada que se possa fazer.

Má said...

Sim, transparece...
=D e que bom que transparece!
Então você agora é causador de polêmicas, hein?
Saudads

daniela said...

Prometi um comentário brilhante ("faço um comentário digno da letra"). Não sei porque prometo coisas que sei, a partida, que não serei capaz de cumprir. É raro fazer esse gênero de promessas, mas acontece.
Depois de pensar bastante na letra, conclui que não consigo dizer nada inteligente a respeito. Vai ver que é por ter me identificado tanto com ela... Essa incapacidade de escrever coisas sobre mim, que tenham o mínimo de lógica é irritante.