Jan 8, 2007

Se este fosse o blog de um suicida

Se este fosse o blog de um suicida, vocês já imaginariam a garrafa de whisky, as prateleiras de livros, os remédios de tarja preta, a janela um pouco aberta e o porta-retrados exibindo uma fenda que o atravessa inteiro e transvesalmente, como uma cicatriz. Em parte acertariam nesta descrição. Alguns de vocês, os mais aptos para o verbo, veriam o copo de whisky, sem gelo, com um dois dedos por tomar, as caixas de remédio por ordem de importância e rima, Citalopran, Lexotan, ao alcance da necessidade, sempre, alguns livros fora da prateleira ("O Deus selvagem", "Cartas a um jovem poeta", Kafka, Fernando Pessoa, Sylvia Plath), a janela fechada, abafando as possibilidades, sem qualquer porta-retrato (para o suicídio, as boas lembranças devem ser afogadas longe da vista). Talvez um, se muito e com muita sorte, entenderia que, à parte a infinidade de adereços possíveis, resta o inalienável, feito uma gangorra sem criança, a morte impregnada. Este entenderia a morte volitiva como um processo de degradação dos motivos, a degenenração das idéias e das coisas, o auto-isolamento absoluto, além de qualquer alcance. Então veria o whisky dissolver o copo, os livros dissolveram a alma, os remédios dissolverem as caixas, o externo dissolver a janela e a mulher dissolver a moldura. Mas somente se este fosse o blog de um suicida.

2 comments:

said...

SUBLIME como sempre. Divido. Deleite.
Ainda bem que esse não é o blog do jovem Werther ou da Maíra... afinal ambos andam muito borocochos...

Beijos!

PS - num sei exatamente quando é, mas sei que está chegando... quantas primaveras mesmo?

Ta said...

Guto!! finalmente passei aqui, poeta!! que amiga relapsa essa sua... heheheh
Lendo as coisas mais recentes, digo que adorei a questão do suicida, mas devo confessar - e isso acho que vc já sabe - que o post sobre o amor foi o melhor!! A questão do amar a pessoa errada, da ilusão, do amar verdadeiramente...
E o poema da chuva, então?! Maravilhoso!! "Quero chover-me às enxurradas"
...
Digo isso com muita sinceridade: vc as vezes escreve como se fosse a expressão do meu próprio espírito, menino (se é que EU posso te chamar assim...)! E por isso repito o trocadilho que minha dignissima irmã fez, provavelmente sem perceber: DeLeite.
Grande beijo
Ta "Artista"