Jan 12, 2009

Feliz 2009!



Vinte dias de férias e volto, finalmente (para mim), a postar neste espaço! Escolho algo polêmico para o retorno - nem mesmo gosto destes versos -, mas como as coisas normalmente são e mais nada (viva Caeiro!), fica este poema mesmo, com os votos de ótimo ano a todos e, sobretudo, muita poesia, canção e apaixonamentos pela vida! Logo logo, mais novidades...

o réveillon dos cães

uma vez por ano os cães
a pagar pelos erros de seus pais
compadecem no pêlo as maldições
que embrutecem todos os mortais

o medo de não ser mais o que são
de ir além do faro dos demais
temem não mais guiar a atenção
ao que acorda seus olhos animais

queimam no ar as cores como tais
riscam o lembrar dos sonhos
de brilho escondem e emudecem os ais

debaixo da mesa o pavor consome
num apito longo de altos decibéis
os cães agonizam sua dor dos homens

2 comments:

compulsão diária said...

Voltou pra mim também e veio em sonteto lindo. animais comovem Olho meu gatos e conversamos horas - olhos nos olhos - eles me curam dos ais, e com eles me lembram de sonhos que nem tive ;)))
se vc não gosta destes versos, perdeu o faro.
eu gostei muito.
beijo

Guto Leite said...

Obrigado, querida, pelo comentário... =). Os animais realmente inquietam as pessoas! Vai entender! Beijo e arte