Jan 18, 2009

Aniversário



Fiz aniversário nesta semana e, em homenagem avessa, posto um poema do último livro em tom de elegia! Agradeço aos leitores de sempre pelo carinho e pelo tempo que "investem" em minha poesia. Trabalho beneditinamente para acreditar mais que sou um escritor necessári... Muita arte, sobretudos e Cartolas!

Quando não há aniversário

em dias de tristeza
não se faz aniversário
as velas queimam cerejas

o tempo áspero trapo
arrasta no espaço buracos
miasmas lábios do avesso

destino enviesado
range demora e se chega
não há quem fomente o azo

batendo palmas
há o enfado do atraso
que não é seqüência nem pausa

não é calma nem pressa
um sopro do desabafo
que infesta se as velas vazam

5 comments:

adri antunes said...

eiii, feliz aniversário, mesmo sem saber o dia certo, já que tu nao especificou! de qualquer forma, menos dias tristes, menos velas para contar e mais poesia na vida de todos nós.

Victor Meira said...

Legal, Guto. A poesia é pirada, birrei um pouco com ela. Acho doido como tem palavra orbitando, formando certa confusão figurativa (como na segunda estrofe). Mas é uma boa imagem, no todo, do "não-momento" do sopro das velas.

Viva! Feliz aniversário.

tagg said...

me lembro desse poema. falamos desse poema? me falaste sobre parte desse poema? me lembro desse poema. belo de aniversario. triste de uma tristeza que eu nao consinto em aniversario de quem amo, de quem arte.
beijocheiro.

FlaM said...

Que lindo isso Guto!
Deu saudades!
bjs, f

compulsão diária said...

Guto, no meio de tanta mudança passei batido mas houve aniversário. Há, pra mim, agora. O seu!
Feliz!
Saudades e beijos, beijos