Apr 6, 2008

A Grande Biblioteca


A cada página que se passa, um enorme barulho de engrenagens e gritos pode ser ouvido no interior da Grande Biblioteca. Desde que implantaram nela o inovador sistema de leitura, e separaram os gabinetes por intelecto e faixa etária, após contínua reclamação dos mais velhos, sempre que se passa uma página, as cadeiras, presas a enormes tubos de aço e de organização, desalojam-se em busca do mesmo livro, em outro lugar, aberto à mesma página ou à página seguinte, para que o leitor possa continuar seu intento. Quando se termina um livro e fecham-no, a Biblioteca busca realizada e automaticamente outro livro fechado para que o ciclo semi-fortuito de leituras não se interrompa. Em cadeiras desconexas, a um canto, ou mesmo sobre a estrutura de aço, encontram-se incontáveis moribundos que em silêncio só se beneficiam da Grande Biblioteca pelos brados exaltados pelas leituras que, ora ou outra, ecoam pelo salão, mas quase sempre chegam em confusa e intermitente balbúrdia. De todo jeito, há extremo esforço de todo o maquinário para manter a ilusão real de movimento na Grande Biblioteca.


p.s.: tenho sido diluído por um número abusivo de leituras e escritos, por isso, a escassez de comentários. Isto não sublima os sempre melhores desejos aos que visitam estas linhas!

5 comments:

william galdino said...

Seria preciso muitas vidas pra dar conta de tantas páginas. E a gente sempre com/contra o tempo.mas que bom que sua "diluição" se dá entre leituras e escritos.
Na apreensão e expressão.
grande abraço poeta.

Henrique Magnani said...

Você vai enveredar agora pelo caminho da prosa? E, ainda por cima, com essa pitada de fantástico?

Bem, tomara... ;)

Anne Baylor said...

bacanérrimo..
Fazia tempo que não vinha aqui..
E a criatividade está em alta.
Grande beijo, Guto.



=]

Anne Baylor said...

bacanérrimo..
Fazia tempo que não vinha aqui..
E a criatividade está em alta.
Grande beijo, Guto.



=]

Guhn said...

See Please Here