Aug 2, 2007

O estrangeiro


Salve, caríssimos, meu primeiro post de minhas novas paragens. Logo na re-estréia de meus estudos de faculdade, uma professora muito querida propos uma questão aparentemente banal para discutirmos a noção de estrangeiro, que repasso a vocês: "como os filmes estão separados em sua locadora?" Claro que, a partir desta observação, pudemos associar a noção de Estado moderno, de estranhamento e de segmentação, e eu pude reparar como na ciência há diversos conceitos que são na verdade definidos pelo seu contrário, já que a conclusão chegada foi a de que o estrangeiro é o não-nacional ou o não comum. Também pude propor aos colegas (aliás, seriam colegas realmente se participassem comigo, com a professora, sua orientanda e um outro aluno nas discussões) e às professoras uma questão que ficou inquisidoramente sem resposta: como é a divisão das locadoras em outros países? Acho que, com essa resposta, clareamos mais a noção de aculturamento e grau zero de cultura. Ou seja, se eu receber ajuda de meus amigos "estrangeiros" e daqueles que já moraram em outro país, agradecemos imensamente. Muita poesia, que é preciso poesia!

10 comments:

daniela said...

=) Há meses não alugo um filme. Acho que faz quase 1 ano. Mas da proxima vez que eu for à locadora, vou reparar.
Pra mim tudo é estrangeiro. Não encaixo em lugar nenhum...

Kah said...

Bom, tem os lançamentos, os clássicos, infantis,terror,comédia,musicais,ação e romance.Basicamente é isso.Poesia sempre,caro amigo Guto.Um beijo e lindo final de semana!!!

daniela said...

Guto seu relapso! Esse blog anda as moscas! =P
Deves tar na correria, eu sei.

Fui ao mini videoclube de Anadia, e a divisão dos filmes é feita por genero. Não se divide em estrangeiros, muito menos nacionais. Tenho que ir a blockbuster.

Anne Baylor said...

Oiiii..
saudade de vc...
nhum..
bem..
A divisão das locadoras por aqui, é feita tal qual descreveu Kah..
Bem desse jeito.

Beijo pra vc.

=]

isaac said...

fala guto !!
interessante o post .. mas o melhor foi remeter ao livro do camus, que é uma obra impactante ... excelente livro!
grande abraço !

ique said...

morreu o blog? abraços!

Anonymous said...

Guto,

Li um texto antigo seu onde tnha a expressão mulher de mutos talheres. Dá onde vem e qual o real significado? Me responda no lolawants@uol.com.br bjs.

Tagg said...

não tenho pensado em muita coisa interessante. mas o estrangeiro é presente (só pode ser estrangeiro se presente). ninguém é estrangeiro no silêncio e na ausência. no silêncio e na ausência é ninguém.

cansa-te das minhas besteiras, pequeno! não há mais metafísica na vida que em cansar-se dos outros.

nada sei não...

bjos!

Luana said...

As vezes eu canso da poesia...rs
Já ouviu falar no conceito de Unheimlich?? seria o estranho em alemão... mas a tradução tbm pode ser de semelhante, familiar. Isso, claro, muito resumidamente. Tropeço nesses conceitos tanto na minha querida literatura de testemunho quanto em Freud.
O que seria estranho, estrangeiro, pra ti?


beijosss

Mazinha said...

OIEEEEEEEEEE!
Eu num rezo mais, pq agora eu sou assumidamente mais Má então nada me salvará do fogo do inferno.
Ehehehehehe!
A vida senhor deleite?
Dn Gorda disse que vc iria ligar, bom saber, que sabe num te vejo tb.

Beijos!