Oct 28, 2007

Próximo projeto em passos curtos

Quanto mais tempo de silêncio, mais difícil, acho, é rompê-lo. Com a ida a Campinas, a volta aos estudos, os muitos projetos concomitantes, a dificuldade em não ter net em casa, enfim... acho que o que vale deste tempo, e talvez seja proveitoso a outros olhos, são alguns vestígios, sensações etc. Descobri, literalmente, que a arte é um processo contínuo e que uma meta aceitável é a de que cada ato de alguém que a isso se comprometa seja um ato artístico, pleno de suas intervenções na tessitura real. A outra coisa é que tudo que não seja de si exclusivamente deve ser passível de fracasso. Não se pode traçar qualquer plano pessoal no campo da alteridade. Talvez sejam asserções severas demais pra tão pouco tempo, talvez também se alterem amanhã, ou hoje, mas que graça teria alguma coisa nesse mundo se não fossem assim as coisas, tão voláteis. Abaixo, uma parte pequena dos meus novos planos.

A virgem Maria

de alto a baixo
um metro e trinta
cabelos crespos
de passar pente

na saia que rende
há mais de dois anos
algumas das cores
lhe encantam

quis ir ao rosa
dos bordados
por não ver
dor dentro do pano

fugir ao roxo
desbotado
ser como a linha
cerzindo o sono

alguns espelhinhos
costureirados
saíram da renda

por isso chorou
quando veio o padre
erguer-lhe a sainha

como queria
a virgem Maria
subir à terra
das lantejoulas!

1 comment:

daniela said...

Ai, Guto... Não entendi! Mas pelo menos uma coisa ficou desse post: "Quanto mais tempo de silêncio, mais difícil, acho, é rompê-lo." É...