Dec 3, 2008

Crise do Realismo?


Uma imagem bastante utilizada para estes tempos, sobre Literatura, fala de um espelho estilhaçado, só capaz de acessar o real - nunca em completude - pelo que refletem seus fragmentos. Não sei, sei pouco. Respondo num poema de algum tempo adiantes, a única maneira que me cabe responder. Cabe?

mirar-se

há um espelho colocado fora
que anda comigo
nele me vejo continuamente

às vezes reflete o desconhecido
mínimo e profundo
que reconheço

mas normalmente em seu corpo
deita aquilo que costumo
ter por mim

a aparência que nos dias
aprendi a enganar-me
os sonhos laminados

a inevitável grandeza
que me espera
e foge do acaso

o espelho por outro lado
me vê com as mesmas ressalvas
pergunta-se

o quanto de mim
ele pode dizer de si mesmo
qual a parte da pele

em que ele não se reconhece
a minha face o reflete
escreve o mesmo poema

3 comments:

compulsão diária said...

Reflexos. Inversos. Sonhos laminados. Miragem do real que corta sem ferir. Afeta.

apesardoceu said...

bom pra refletir... hehehe

bravo, parceiro!!

william said...

É o ser profundo se mirando no espelho plano.
O tempo dos pedaços,dos estilhaços e do homem no seu insaciável desejo de tudo/todo abarcar.
Grande poema .
Abração e até.